SOLUÇÕES

ESTRUTURAIS

Concreto Armado

É o sistema construtivo mais difundido no mundo. Obtido por meio da associação entre concreto simples e armadura convenientemente colocada, de tal modo que ambos resistam solidariamente aos esforços solicitantes. 

 

Neste sistema estrutural, temos estruturas aporticadas formadas por pilares, vigas e lajes e tradicionalmente são calculadas e projetadas em sistemas informatizados onde a experiência do engenheiro é fundamental para obter-se uma estrutura segura, racional, funcional e econômica.

 

Utiliza-se o concreto armado desde as casas térreas mais simples até os mais altos edifícios destinados para os mais diversos tipos de utilização. Projeta-se em concreto armado estruturas de escadas, caixas de água, piscinas, muros de arrimo e fundações.

 

O concreto armado apresenta boa resistência à maioria das solicitações, tem boa trabalhabilidade, permite obter estruturas monolíticas, possui as técnicas executivas razoavelmente dominadas em todo o país, é durável desde que seja bem executado, apresenta resistência ao fogo, permite a pré-moldagem dentre outras vantagens. Como desvantagens temos o elevado peso próprio, necessidade de um sistema de formas e escoras e bom condutor de calor e som.

 

Alvenaria Estrutural

Construções formadas por blocos ou tijolos industrializados de diversos materiais. São projetadas para resistirem a esforços de compressão ou ainda a uma combinação de esforços. Os blocos são ligados entre si pela interposição de argamassa e podendo ainda conter armadura envolta em concreto ou argamassa.

 

As alvenarias assumem duplo papel: de estrutura e de vedação. Em geral, a alvenaria é reconhecida como durável, esteticamente agradável, de bom desempenho térmico e acústico. Quando bem projetado, o sistema construtivo em alvenaria estrutural traz vantagens, como ganho em rapidez, diminuição de desperdícios e custo competitivo.

 

Com este sistema e utilizando-se de blocos de 14cm de espessura, pode-se construir casas térreas e sobrados, chegando a edifícios de até 22 pavimentos sobre o solo ou com pilotis em concreto armado. No entanto, a quantidade ideal de pavimentos situa-se entre 15 e 16 pavimentos.

 

Paredes de Concreto

O sistema construtivo de paredes de concreto é um método de construção racionalizado que oferece produtividade, qualidade e economia de escala. Neste sistema, concreta-se as paredes e a laje em uma única etapa executando uma concretagem por dia.

 

As paredes são painéis de concreto armado, concretadas no local com as instalações elétricas e hidráulicas já locadas. É uma estrutura monolítica de grande resistência.

 

É economicamente viável quando utilizada em obras com grande número de unidades iguais devido ao elevado valor da forma. Exige uma mão de obra treinada, excelente gestão da produção e logística.

 

As paredes de concreto são utilizadas para casas térreas, sobrados, edifícios baixos e até para edifícios altos com mais de vinte pavimentos, sempre com grande escala de produção.

 

Reforço e Recuperação

As estruturas de concreto não são eternas. As estruturas se deterioram com o passar do tempo e não alcançam sua vida útil se não forem bem projetadas, executadas com esmero, utilizadas com critério e, finalmente, submetidas a uma manutenção preventiva.

 

Quando o projeto de engenharia for mal detalhado, a construção for realizada com insuficientes planejamento e controle, os técnicos e operários não forem dotados da qualificação adequada e os prazos de execução forem excessivamente curtos, a estrutura resultante será quase certamente de má qualidade e irá se deteriorar de modo prematuro, absorvendo gastos de recuperação e de reforço exagerados para ser mantida em condições de uso.

 

Muitos são os casos de estruturas que, por um motivo ou por outro, necessitam ter sua capacidade portante aumentada. Nestes casos, o conhecimento dos procedimentos e das técnicas a serem adotados é de fundamental importância para que a estrutura tenha realmente a sua capacidade portante original restaurada (recuperação), ou ampliada (reforço).

 

Fundações

Em cada ponto de carga que a estrutura descarrega no solo, temos um elemento de fundação que pode ser uma sapata, estaca ou tubulão embutido no maciço de solo caracterizando um todo constituído de duas partes: o elemento estrutural de fundação (a sapata, a estaca ou o tubulão) e o elemento geotécnico (o maciço de solo).

 

Os problemas do engenheiro civil agravam-se quando é preciso descer abaixo da superfície do terreno. O grau de incerteza aumenta, e a experiência acumulada com os problemas análogos já vivenciados torna-se um guia duvidoso. Sondagens e outras investigações do subsolo fornecem subsídios, porém mesmo assim as surpresas podem acontecer e pode-se dizer, sem receio de errar, que o estudo dos solos envolve mais variáveis do que qualquer outro material de construção.

 

Toda obra de engenharia necessita de uma base sólida e estável para ser apoiada, que proporcione condições de segurança quanto a ruptura e deformações.

 

Diversos são os tipos de fundações: rasas que são as sapatas e os radiers e de certa forma os tubulões e fundações profundas onde temos as estacas escavadas, strauss, hélice contínua, mega, ômega, franki, barrete, raiz, estacão com lama bentonítica,  pré-moldadas, metálicas, madeira e de certa forma os tubulões dentre outras. Pode ocorrer também a associação de fundações rasas e profundas como o radier estaqueado ou sapata estaqueada, aproveitando assim a resistência das camadas superficiais do solo.